COMUNICADO

GENTE QUERIDA

MUITAS AMIGS NÃO ESTÃO CONSEGUINDO COLOCAR SEUS COMENTÁROS AQUI NO MEU CANTINHO.

ALGUMAS DISSERAM QUE CONSEGUIRAM COMENTAR COM O MOZILA...TENTE TAMBEM...QUEM SABE DÁ CERTO

BEIJINHOS

AMO VOCES!

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

TELEFONES DO MEU CANTINHO

Gente querida meu pc pifou!
Estou na casa de minha sobrinha...isto mesmo pedi o pc dela emprestado só para falar com voces.
ainda bem que esta postagem estava pronta...não se esqueçam de mim e nem me abandonem certo?
Estou com muitas saudades de vioces e seus cantinhos...torçam para que meu pc fique pronto logo
beijinhos


Só tinha um telefone aqui no meu cantinho, ficava na casa do Sr Luiz Quirino e Dona Fiúca, eles eram os donos da venda aqui do lugar. Era pouco usado, ninguém tinha para quem telefonar, mas era um objeto interessante, e muito chique , olhávamos para ele com um misto de simpatia e medo, como será que a voz vem pelos fios? O aparelho era assim -

Depois de muitos anos o prefeitura colocou um aparelho na casa do Roque, dono da outra venda do meu cantinho...neste tempo ele já era bem usado, conversar com os parentes  que moravam na cidade era agora bem mais fácil...bastava ligar e pedir para a telefonista do outro lado da linha...Liga no 143 por favor?
Ela ligava, e a gente conversava, e a telefonista ficava ouvindo tudo, bem quietinha; não que pudesse, mas ela ia deixar passar esta oportunidade de ficar sabendo da vida alheia?
O nosso telefone aqui era assim-

Não tinha como discar, mas tambem não precisava, era a telefonista que fazia as ligações!
Na casa da minha irmã na cidade o telefone tambem não tinha como discar, ele era assim-

Fazer um telefonema interurbano era a maior luta, pedia-se para a telefonista fazer a ligação, e às vezes esperava-se horas para que conseguisse falar, e muitas vezes quando começava a conversar a ligação caía.

Mais uns anos e a prefeitura inaugura aqui um centro telefônico, as coisas já estavam mais modernas...







O telefone ficava na sala da casa do sr. Roque, quantas vezes de madrugada, com chuva, ele tinha que sair para dar ´recados, às vezes notícias de morte...era tudo muito difícil, mas neste tempo´era o único telefone do lugar.
Fomos acompanhando o progresso, 
A prefeitura agora tráz uma cabine telefonica, Sr Roque faz uma salinha onde é colocada a cabine...a forma de ligar já era DDD,DDI...mas o sistema de uso ainda era o mesmo,  nós ligávamos e pagávamos por minutos, e recebiamos recados ,que eram dados pelo sr. Roque e familia.

Até que em  2005 a telefonia chegou de vez por aqui...orelhões foram espalhados pelo distrito, telefones foram sendo colocados nas casas...e o velho centro telefonico foi fechado de vez.
Temos muitas histórias deste tempo não muito distante...casos de tristeza, casos engraçados...e tudo se foi...
Ainda tenho aqui em casa um velho telefone., e funciona...é usado por nós...


Agora esperamos uma torre de celular, temos celulares, mas a maioria tem dificuldades em usa-lo pois não tem sinal...aqui em casa até que temos sorte o celular funciona normalmente.
E fico me perguntando, como será a telefonia daqui alguns anos?
Vai chegar o tempo em que o celular será ultrapassado, mas, como será então?...............

beijinhos
Tina

ne.gif (7034 bytes)




15 comentários:

  1. Voltei de viagem e estranhei não te ver...Lindos telefones e desejo que tenhas logo de volta teu pc...beijos,chica e linda semana!

    ResponderExcluir
  2. eu stava mesmo com saudades de você.Acredite!!!

    ResponderExcluir
  3. Excelente postagem, Tina !
    Adorei ver os telefones antigos e saber das histórias do seu cantinho.

    Eu, moradora de cidade grande, mesmo quando não tinha telefone na casa dos meus pais, existiam telefones à vontade, em casas de parentes e amigos, e nas lojas comerciais.

    Mas quando vínhamos para S. Lourenço passar férias, era desse jeitinho que você falou: telefonista fazia a ligação que demorava horas, e às vezes não era possível completar. Mas isso foi lá nos anos 60, ou 70...

    Beijo e tomara que retorne rápido ao nosso convívio !

    ResponderExcluir
  4. não sei o que virá depois do celular, mas fico feliz que deu notícias.
    quanto as raridades dos aparelhos, tenho 02 antigos .
    adoro !

    ResponderExcluir
  5. Ai que delicia de post!
    Menina, acredita que na fazenda de minha sogra, o celular ainda só pega com antena? quando vamos pra lá, ficamos ilhados KKK

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Tina,

    Que post bacana. É gostoso recordar essas coisas.
    Lá na roça do meu pai, tem um celular que funciona com antena, mas somente dentro de casa, perto do aparelho. Muito bom, poder falar com meu paizinho lá nas Minas Gerais.
    Hoje à tarde eu estava lá no jardim e pensei em você, senti sua falta por aqui. Quando voltar, vem me visitar logo.
    Boa sorte!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Tina, sou de Nuporanga - SP, não fica muito longe de Furnas,adorei seu blog me trouxe recordações de quando era criança e morava na roça, das histórias contadas pela minha mãe e avó.
    Cresci vendo minha mãe fazer doce de leite, de mamão, manga, goiaba, a "lidar" com porco, fazer pamonha, polpa de tamarindo...que saudade, lá tbém tinha plantação de café, o terreirão para secagem dos grãos e a tulha para estocagem.
    Minha avó conta que tinha o monjolo, mas infelizmente não chegamos a conhecer, muitas da coisas q você mostrou retrata o nosso dia a dia tbém.
    Espero q logo você possa estar de volta.
    Juliana Paulino

    ResponderExcluir
  8. Complicado hein?
    Mas adorei ver as peças antigas, lindas!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Esse último modelo da sequencia de fotos é ótimo. Na casa da mamãe ainda tem dele e eu estou de olho ... Depois, veja a postagem que fiz hoje, ok? Quando o seu PC estiver legal. Eu até chorei quando escrevi.

    ResponderExcluir
  10. Oie Tina, linda historia da evoluçao da telefonia...amoi...
    Vou ficar torcendo pra voce voltar logo.
    Bjus. Alice.

    ResponderExcluir
  11. CRIS COM ARTE E MANHA2 de março de 2011 06:03

    Aiii, amiga sem PC não dá , ele ficou dodoí ,mas logo ele sara e vc volta ... mais dá um jeito de visitar sua sobrinha ...assim vc faz suas postagens... lindas fotos dos telefones,fico pensando, sem eles o que seria de mim , meus três filhos moram longe, e a mais velha na Espanha ,sem o telefone eu faria o que ? beijos no seu coração.

    ResponderExcluir
  12. Em Forninhos também foi assim. No início havia apenas um telefone público, num Café e quando se recebia uma chamada o Sr. ía chamar ou dar o recado. Agora já todos têm telefone em casa, mas a rede de telemóvel (celular), ainda lá não chegou em perfeitas condições. Hoje é estranho chegar lá e não poder usar o telemóvel, mas depois tem outras coisas encantadoras, é uma aldeia onde ainda se vão ouvindo palavras de saudação como “Deus te ajude”, “Vai com Deus” ou um simples “Bom Dia”, que são mensagens que não costumamos ouvir no dia a dia.
    Beijo**

    ResponderExcluir
  13. Oi, Tina.....eu e minha mãe adoramos seus blogs....tem tanta coisa pra ver que estamos até perdidas....rsrsr, estamos acompanhando....e torcendo pra vc voltar logo! bjo

    ResponderExcluir
  14. É engraçado, mas é tudo verdade. Sabe que aqui na cidade as pessoas perdem essa noção. Beijos Eliane

    ResponderExcluir
  15. Eta mundo véio sem portera! Como é gostoso a gente recordar dessas coisas boas do passado. Claro que tudo na vida era mais difícil. Até mesmo para se telefonar; porém quem precisava de telefone? Quando era preciso fazer uma ligação para outra cidade, era um transtorno. A gente girava a manivela e lá vinha: "Telefonista" e a gente dizia: "preciso ligar para São Paulo (e dava o número)" a telefonista dizia: "quando completar a ligação eu o chamo" e muitas vezes demorava até horas para completar a ligação. Muitas vezes o chiado era tanto que nem dava para ouvir a voz do outro lado. Hoje está tão fácil que qualquer criança tem um celular. Fala-se com qualquer parte do universo. Bom? claro que sim! porém a saudade desses tempos faz com que tenhamos vontade de voltar ao passado.

    ResponderExcluir

fico muito feliz com seu comentário
Obrigada por participar